Cartas para Gergelim, 01. Introdução

No dia 05 de fevereiro eu postei aqui um dos meus últimos textos, finalizando (momentaneamente) uma série de relatos e homenagens às produtoras e mulheres incríveis que eu admiro nessa vida. Mulheres comuns e realmente inspiradoras, que a gente às vezes nem sabe, mas estão aí do nosso lado, é só parar e prestar atenção. E olha que coisa mais leonina: eu mesma me homenageei e escrevi sobre mim mesma! Super autoestima, a gente vê por aqui.

Escrevi um daqueles textões feitos para pessoas com um grau de paciência nível 5 do créu para longas leituras, num momento íntimo de desabafo e coragem.  E ainda por cima, botei o corpão pra jogo num ensaio fotográfico onde eu estava super “sensualizany” (digo corpão no sentido de volume mesmo e não de gostosura, ok?). E ali naquele post aproveitei para contar ao mundo que naquelas fotos, além de muito photoshop, existia um pequeno baby, até então com quase dois meses, escondido dentro daquela barriga.

E de lá pra cá, a vida deu aquela transformada louca, viu? Minhanossinhora! O blog ficou em segundo, terceiro, quarto plano; e os meses foram passando, o pequeno baby continuou crescendo e vejam vocês: já tá quase na hora dessa pequena criança conhecer essa produtora e mãe louca que vos fala e começar sua aventura nesse mundão de Deus. E mesmo não tendo escrevendo mais nada por aqui, comecei a escrever pequenas cartas íntimas para essa minha pequena semente, minha grande gergelim.

Entonces, miagente, quem quiser conhecer um lado menos sacana e mais maternal (mas tão íntimo quanto e com o bom humor de sempre), pode se jogar nesses textos endereçados a essa nova pessoinha que vai promete enlouquecer minha vida. Então a partir de agora vocês vão ver por aqui uma série de “Cartas para Gergelim”.

P.S1:  Os meus amigos do Facebook já viram, curtiram, choraram e riram… mas eles são suspeitos, né? Então tô pondo esses textos abertos para o respeitável público em busca de imparcialidade. Mas se não gostarem fiquem na de vocês, por favor, sem comentários ruins porque eu tô grávida e sensível, não tô podendo lidar com críticas, ok?

P.S2: quem tá a fim de mais textinhos com aquele quê de sacanagem, que todos gostamos mas nem sempre revelamos, vai ter que reler as bobagens antigas ou procurar outro blog, porque meu amigo, tá difícil. A gente até quer falar de sacanagem, mas tá faltando conteúdo, tá faltando atividade, se é que vocês me entendem… as coisas ficam mais complicadas quando você tem uma barriga do tamanho de uma melancia. Mas um dia a gente fala sobre isso. Ou não, também. Não quero assustar ninguém que esteja iniciando uma nova família, saca?

Inté. See you. Hasta la vista, baby.

Escrito por

Oi! Sou Ana Ferrari.  Produtora de eventos, de filha bonita, de situações ridículas e de trapalhadas aleatórias. Especialista em perder coisas, fazer besteira, viver a vida e dar risada de si mesma.  PHD em crises existenciais que chegam antes dos 40 anos. Paulistana convicta com coração carioca. Leonina até dizer chega. Nem de direita, nem de esquerda. Interessada em igreja, centro, templo e terreiro. Experiente no luxo, no lixo e na luxúria, com vivência no erudito e no popular. Praticante de artes marciais, degustações de café, vinho e seriados. Aprendiz de escritora, de viajante e de violonista. E agora, de blogueira. ​ Pode isso, produção???

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s