Meu nome é Ana Paula e aqui não tem só produção.

“Ela é dona do jogo

Ela é dona da banca

Sabe que está podendo

E por isso brinca, brinca, brinca

Na praia tira onda

No samba manda ver

Ela faz e acontece

Ela faz acontecer”…

Quando eu ouço essa música não dá pra pensar em outra pessoa. A bicha não é uma mulher, é um acontecimento.

Eu tenho a impressão de que quando ela chega num lugar, com aquele cabelo, aquela cor, aquele corpo, aquele salto e aquele sorriso largo com a alegria mais contagiante do mundo, ela deveria ser sempre anunciada.

Brother, ela não é só uma produtora, ela não faz só evento. A bicha É um evento.

Se Miguel Falabella a tivesse conhecido, antes de conhecer Cissa Guimarães, mudaria de ideia sobre quem, de fato, é a “garota que quebra o coco, mas não arrebenta a sapucaia”.

{Duas coisas a dizer sobre isso: 1 – eu até hoje não sei o que é sapucaia mas não pesquiso com medo de descobrir e a frase perder o encanto / 2 – se você tem menos de 34 anos e não teve a oportunidade única de assistir Video Show no final dos anos 80, simplesmente lamente e desconsidere essa “sacadinha” marota do meu texto.}

Só para sentir a pegada do que vem por aí, eu vou contar como foi o meu convite pra essa mulher incrível.

Eu: “Amiga, você está acompanhando que eu ando escrevendo sobre produtoras fodásticas que são mulheres maravilhosas e que me inspiram muito pela atitude, sensualidade, etc.. Então, você é a personificação de tudo isso, não pode faltar! É muito empoderada, é inspiração total. Eu não sei se você curte a ideia, mas eu queria muito escrever sobre você, estampar umas fotos suas no meu blog. O que você acha? “

Ela: “Nossa, quanta honra. Calcinha úmida.”

Tá, mas isso não é um sim e nem um não. Fiquei esperando uma resposta oficial, né? Passados três dias e ela sem se manifestar, eu resolvo dar uma cobradinha com a delicadeza de uma ursa (o que geralmente faço com quem tenho intimidade): “A senhora quer parar de fugir da raia e me dizer se topa fazer essa porra ou não”?

E então toca o telefone e vem a seguinte frase do outro lado da linha: “VOCÊ JÁ ME VIU ALGUMA VEZ FUGIR DA RAIA”???

Não, definitivamente não vi. Então, eu tenho o prazer de escrever hoje sobre outro “mulherão da porra”. Com vocês, minha amiga e produtora: Ana Paula.


Cara, eu conheci a Ana há dez anos e trabalhamos pouquíssimo tempo juntas. Foram quatro inesquecíveis meses. Era a primeira vez que eu trabalhava com promoção, com varejo, e aquilo ali era uma loucura. Aliás, o evento que eu fazia chamava, olha que maravilhoso: “Deu a louca no Eletro” (Sim, meu passado me condena, porque nem só de glamour vive um produtor, na verdade é bem o contrário mermo). E eu acabei sendo apelidada de Ana Louca, o que às vezes tem até algum sentido, mas quem era louca mesmo era a outra Ana, a Paula. Doida de tudo, ligada nos 220V. Um tsunami trabalhando, comandava uma mega equipe, sempre com uma energia incrível, um puta astral, uma firmeza absurda e ainda por cima, elegantérrima. Eu virei fã. E descobri uma amiga (e nisso também descobri que não gosto de promoção – pelo menos não do ponto de vista de produtora, porque como consumidora eu goixxxto e muito – e pedi demissão).

E a Ana desde então, como não podia se esperar nada diferente, só cresceu na agência. A sua equipe cresceu, ganhou mais clientes, mais experiência, mais credibilidade. E por conta disso, um dia foi convidada a escrever uma matéria sobre o mercado em um dos grandes veículos de comunicação do meio.

Foi então que o dono da agência pediu que ela enviasse uma foto para ilustrar a matéria.

O que ele e o mundo esperava, com certeza, era uma foto como essa:

ana linkedin

(Sim, essa sou eu, lora e com uns quilos a mais há uns 5 anos  – nem me reconheço mais – numa dessas fotos “classiconas” de empresa.)

Mas o que apareceu na mesa da diretoria foi isso, meu povooooo! Seguraaa!

IMG_3515nega_1nega_8nega_11_bnega_13_bnega_24nega_38nega_49nega_50nega_52nega_56nega_82nega_84nega_87nega_97

Sentiu o poder???

(Confissão: essa barriga chapada e esse biceps me irritam muito).

Agora segue essa história contada pelas palavras da própria dona da banca:

Já fui clicada com pouca e até sem nenhuma roupa por motivos nada ortodoxos, mas não quando me pediram para escrever sobre live marketing em um dos principais veículos do segmento. Não poderia ilustrar meu texto, que tratava de interação e de experiência, sem imprimir minha atitude.

Esse shooting rolou em um galpão de circo, sob as lentes e direção de uma amiga e companheira de guerra talentosíssima chamada Priscilla Young e foi parar na mesa do dono da agência, com a seguinte mensagem.

“É meu retrato que vc quer? Então escolhe aí, pois é essa pessoa que representa o seu negócio”!

Pode isso produção??? 

Dar essa surra de atitude no mercado corporativo???

Amores, aceitem! 

Vai ter peitinho, vai ter traseiro empinado do 36 ao 46. E mais que isso, vai ter sempre muita atitude.”

Quando a Ana me mandou esse texto eu aplaudi de pé. É isso. É exatamente isso. É esse tipo de mulher que vira o jogo e que pode sim arredondar um pouquinho esse mundo quadrado. Ana, só posso dizer uma coisa: “Calcinha úmida”.


E aí vocês me perguntam: e o que o dono da agência achou???

Ele pirou! Amou! Porque ninguém aguenta mais do mesmo, né, não? E ter alguém na sua agência que representa ousadia e criatividade, é simplesmente bacana demais. Palmas pra quem faz diferente!!!

Fotos mais que maravilhosas da também produtora, diretora artística e amiga: @priscillayoung

 

Escrito por

Oi! Sou Ana Ferrari.  Produtora de eventos, de filha bonita, de situações ridículas e de trapalhadas aleatórias. Especialista em perder coisas, fazer besteira, viver a vida e dar risada de si mesma.  PHD em crises existenciais que chegam antes dos 40 anos. Paulistana convicta com coração carioca. Leonina até dizer chega. Nem de direita, nem de esquerda. Interessada em igreja, centro, templo e terreiro. Experiente no luxo, no lixo e na luxúria, com vivência no erudito e no popular. Praticante de artes marciais, degustações de café, vinho e seriados. Aprendiz de escritora, de viajante e de violonista. E agora, de blogueira. ​ Pode isso, produção???

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s