Canal Off, turn off.

Se a depressão é a doença do século, podemos atribuir essa culpa, pelo menos em 5%, ao Canal Off*. Não existe a mais remota possibilidade de assistir esse canal e não entrar imediatamente em depressão profunda. A programação realmente não é para os fracos, não é qualquer um que está preparado… Quer saber se você está pronto para assistir esse conteúdo? É só responder o quiz abaixo:

Vai escalar o Kilimanjaro esse ano? – Pode assistir.

Vai mergulhar na barreira de corais da Austrália em breve? – Vai na fé!

Vai surfar na Indonésia no próximo swell**? – Tem uma programação incrível te esperando, keep going…

Vai viajar no máximo até Campinas no feriado prolongado? – Passe longe do canal… 

O mais próximo de asa-delta que você já chegou foi o seu biquíni dos anos 80? – Simplesmente não assista.

O animal mais selvagem que você vai ver nos próximos anos é o leão do Zoológico? – Apenas não. Jamaaaais!  

Existem mil maneiras de se deprimir com o canal Off, escolha a sua: porque você não tem dinheiro para viajar; porque você não tem preparo físico para as aventuras; porque você não tem coragem de passar pelos desafios; porque você não tem uma namorada ou namorado como aqueles que desfilam por lá… etc, etc, etc… deprê, deprê, deprê…


PAUSA PARA UMA NOTA PROFISSIONAL:

O único pobre mortal que pode driblar a depressão e se beneficiar do que o OFF oferece, sou eu e meus colegas de trabalho: os Produtores de Eventos, miagente!!! E por que? Porque quando a gente tem uma festa para organizar e não tem o dinheiro para contratar o VJ ou para produzir um conteúdo bacana de projeção, só o Canal OFF salva, meu bem! A gente deixa lá o lance rolando no telão, com todas aquelas ondas incríveis, aqueles picos de neve, aquelas mulheres com corpos estonteantes que você nunca terá e com um bronze que nem a Donatella Versace*** consegue, aqueles caras tão gatos que você simplesmente não entende de onde eles vêm porque nunca cruzou com um desses no bar, na academia ou em nenhum outro lugar do planeta…. E fica tudo bonito, deixa a festa “cool”, e os convidados ficam lá bebendo e nem ligam…  Mas aí também chega a hora em que os convidados já estão ficando bêbados… e então eles olham pro telão e num instante também deprimem (de uma forma mais profunda até) e vão embora. E a gente que é produtor fica pelo menos contente que a festa acaba mais cedo. Uhuhu! Brincadeira! Só que não!


VOLTANDO…

Redes sociais é outro fator que pode ser responsável por mais uns 10% de casos de depressivos. Isso não é viagem minha, todo mundo sabe… A overdose de coisas muito legais que os outros fazem, principalmente no dia que você está afogado na merda, trabalhando até tarde, dá uma deprê intensa… Eu mesmo sou dessas, confesso…  meu face é só alegria, meu insta é só felicidade… (até porque eu não sou Jornal Nacional pra ficar dando notícia ruim, né, não?) Funciona basicamente assim:

Estou viajando para lugares incríveis? Posto.

Tenho reunião na favela? Não posto.

Encontro com artista? Ponho no Face, no Instagram, na porra toda.

Estou carregando caixa, suada, sem maquiagem, sem dormir? Jamais postarei!!! #nuncaverao

E se você passa incólume por tudo isso porque é super bem-resolvido com a vida; você não sente a sensação que as pessoas estão fazendo coisas incríveis por aí, menos você; você não está nem aí para o Canal Off e tranquilamente “caga AND anda” para as redes sociais… Calma… Tem sempre um amigo que vai sambar na sua cara para te mostrar que a sua vida é bem legal, ok, mas sempre tem alguma coisa foda que você ainda não fez…

Esses dias descobri que uma amiga morou 6 meses num barco no Polo Norte. Repetindo: POLO NORTE (tipo, oi???). E ela não é pescadora, nem caçadora de urso polar, nem cientista. Ela trabalha com arte (tipo, ooooooooi???). Outra amiga: é Dominatrix**** e amiga pessoal do Zé do Caixão. Diz se tem algo mais fantástico que isso??? E tem amiga que é exigida pelo Mick Jagger quando ele faz turnê no Brasil, e tenho amiga que já enfrentou urso no Alaska, e tenho amigo que já trabalhou no caso do Saddan Hussein na ONU em Londres… Really!  Dito tudo isso, eu tenho algumas opções:

1)      Tomar uma overdose de Rivotril

2)      Assistir “13 Reasons Why” de novo e perceber que eu podia estar na pior como a Hanna Baker.****

3)      Ficar muito grata pela vida que eu tive, pelos momentos igualmente fantásticos que eu vivi, achar o máximo que eu tenha os amigos mais interessantes do mundo e colocar em prática minha Bucket List******, enquanto eu assisto secretamente o Canal Off…

Obviamente não existe outra opção que não seja a terceira. E preparem-se para ouvir falar muito de sonhos realizados aqui, porque esse ano eu não estou pra brincadeira. Isso, é claro, se Saturno deixar, porque ele veio bombandooooo! Querendo sacudir o mundo! (mas isso é pauta para outro post, que virá em breve… aguardeeeem).

P.S: Quem teve a incompetência de não ter assistido Bucket List (Antes de Partir) dos incríveis Jack Nicholson e Morgan Freeman, faça o favor de correr atrás do prejuízo.  

bbbb-the-bucket-list

* Canal OFF: canal de TV a cabo que tem conteúdo baseado em esportes, aventura, adrenalina e viagens. Tudo lindo, tudo incrível. Locais paradisíacos.

** Swell: período de formação de ondas grandes para delírio dos surfistas.

*** Donatella Versace: uma estilista que é rainha do bronze artificial. Ela já adquiriu um tom de pele laranja que não deve sair nem com cândida.

**** Dominatrix: mulher que exerce o papel de dominadora em práticas de BDSM (bondage, disciplina, dominação, submissão, sadismo, masoquismo… ui!)

***** 13 Reasons Why – série americana produzida pelo Netflix (quem ainda não viu???) onde a personagem principal Hanna Baker, sofre uma série de problemas, abusos e bullying e se suicida.

****** Bucket List – lista de coisas a fazer antes de morrer.

Escrito por

Oi! Sou Ana Ferrari.  Produtora de eventos, de filha bonita, de situações ridículas e de trapalhadas aleatórias. Especialista em perder coisas, fazer besteira, viver a vida e dar risada de si mesma.  PHD em crises existenciais que chegam antes dos 40 anos. Paulistana convicta com coração carioca. Leonina até dizer chega. Nem de direita, nem de esquerda. Interessada em igreja, centro, templo e terreiro. Experiente no luxo, no lixo e na luxúria, com vivência no erudito e no popular. Praticante de artes marciais, degustações de café, vinho e seriados. Aprendiz de escritora, de viajante e de violonista. E agora, de blogueira. ​ Pode isso, produção???

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s